Em um esforço para encapsular todos os novos enredos e nuances da história geral dentro de um prazo apertado, Kaizoku Oujo realmente lutou para chegar ao fim enquanto passava por tantos desvios desnecessários (como os que acabamos de mencionar). E, infelizmente, por todos esses problemas, desfez todo o trabalho árduo da primeira metade do anime. Para encerrar a história de Fena, ela sacrificou o desenvolvimento de todos os outros personagens em que estávamos interessados. A história de Helena e Abel foi apressada, com exceção de Shitan e Yukimaru, os cavaleiros goblin eram essencialmente extras, e ao invés de desenvolver Yukimaru (você sabe, o papel romântico?), Fomos apresentados a Observar como uma espécie de reviravolta, que para ser honesto, nenhum de nós se importou porque foi muito acertado e errado. Os piratas durões que recebemos se tornaram um complô irrelevante na montagem de Abel, e que bagunça porque essas garotas eram incríveis!

Basicamente, todos os personagens que conhecemos durante a primeira metade da série foram quase esquecidos no final, até mesmo Yukimaru, já que o anime se concentrava em Fena e seu destino predestinado.

Se houvesse mais alguns episódios, talvez todos os detalhes pudessem ter sido efetivamente vinculados (como o que significa ser excomungado?). Talvez os personagens secundários pudessem ter sido desenvolvidos como mereciam (o que aconteceu com Grace O’Malley? O que sobre a história da donzela durona de Joana d’Arc?), talvez pudéssemos ter descoberto o que aconteceu em vez de ter que dividir assim (por que o Observer está tão investido em garotas? garotas?).